A dor do término (como superar o fim do relacionamento?)

Temos a necessidade de criar situações que geram segurança! Você já pensou sobre isso? Estudos indicam que quando viajamos ou mudamos de cidade, nosso cérebro, na tentativa de gerar segurança, cria diversas associações e a mais comum é achar pessoas parecidas com familiares, amigos e até conhecidos. Também é normal fazer ligações com situações já vivenciadas, sentidas e etc. Tudo isso ocorre porque precisamos nos sentir seguros tanto com pessoas como em lugares.

Nos relacionamentos afetivos, isso não é diferente. Ao iniciar um relacionamento é natural imagina-lo pra sempre além de gerar comprometimento, gera segurança e estabilidade. Um dos motivos da dor e do sofrimento quando uma relação chega ao fim, tem a ver com as expectativas criadas e os sonhos que são cessados de uma hora para outra.

Você já passou por um termino de relacionamento? Levou um ͞fora͟? Ou você rompeu? Independente se terminou com você ou você teve a iniciativa de dar um ponto final, possivelmente já sentiu a dor e o desespero de um término? Parece que a vida vai terminar e que jamais você encontrará outra pessoa que fará sentido na sua vida. O ͞vazio͟ deixado pelo outro ocupa uma imensidão e que no momento do termino parece sufocante.

Relações chegam ao fim porque, provavelmente, o casal ou um dos parceiros mudaram o foco, a busca pela individualidade se sobressaiu, o sentimento ficou adormecido, os propósitos do casal foram deixados de lado, traição e um dos parceiros não superou a situação, divergência de pensamentos e comportamentos, questões financeiras e etc.

Drummond cita: ͞ a dor faz parte o sofrimento é opcional͟. Cultivar o sofrimento, remoer o passado e não aceitar o termino, além de causar dor, impede o processo do luto. É natural sentir tristeza, indignação, raiva, culpa, rejeição e medo de recomeçar. Após o termino, comportamentos de reclusão e introspecção são naturais. Afinal, atitudes de fuga (sair para baladas, buscar novos relacionamentos para substituir a situação, não pensar no que ocorreu…) geralmente não trazem resultados positivos.

Para de fato,  encerrar o ciclo é necessário  aceitar o status quo,  reconstruir novos hábitos, buscar novas fontes de afeto, prazer e focar em atividades que geram satisfação. Superar o termino é retomar a atenção para sua própria vida, bem estar e oportunidade para resgatar a autoestima. Afinal, existem muitos relacionamentos opressores.  Encarar o termino,  é recomeçar a vida e buscar o que faz sentido para você. As lembranças dos bons momentos geram recordação do que foi vivido. O que não foi bom gera aprendizado.

Terminar dói, contudo você escolhe a intensidade e o tempo  que vai ͞querer͟ sofrer em decorrência do termino. Que seja eterno enquanto houver reciprocidade. Muitas vezes a dor tem a ver com seus próprios vazios, que na ocasião era mascarada na relação.  Afinal, como é olhar pra dentro de você? O que você vê? Seu silêncio é ensurdecedor? Seu vazio diz o que? Como é viver de forma independente?

Enfim, para manter uma relação,  é necessário que ambos invistam e renovem a relação de tempo em tempo. As relações precisam evoluir de acordo com as experiências e nível de maturidade dos parceiros. Não tem como manter um relacionamento eternamente se ele não passar por atualizações e reformulações. Ótima reflexão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *