FAMÍLIA: ONTEM, HOJE E SEMPRE!

Conforme dicionário Michaelis, família é um conjunto de pessoas, em geral ligadas por laços de parentesco (…). Pessoas do mesmo sangue ou não, ligadas entre si por casamento, filiação, adoção, que vivem ou não em comum; parentes (…). Grupo de pessoas unidas por convicções, interesses ou origem comum.

Independente da configuração familiar, a família, seja ela de sangue ou de “coração”, é a base, o alicerce e a estrutura do nosso desenvolvimento. Além de amar, zelar, educar, proteger, ensinar e incentivar e tem como função nos apresentar ao mundo.

Cada família traz consigo uma cultura, valores morais, princípios, regras e rituais que os regem. Não se trata de certo ou errado e sim de uma estrutura que passa de geração para geração. Chamo atenção neste item para as crenças limitantes. Quantas vezes você aprendeu algo e não questionou e quando se deu conta estava replicando uma frase ou comportamento da sua mãe ou pai, avó(ô) ou seu bisavó(ô)?

Isso significa que se você estiver falando, por exemplo, para seu filho comer salada e não tomar refrigerante, mas se em contrapartida ele ver que no seu prato nunca tem salada e você sempre está tomando refrigerante, qual comportamento você acha que ele adotará? Não esqueça que aprendemos pelo exemplo.

Quantas vezes você passou por um problema e recorreu a sua família? Isso ocorre, porque no decorrer do nosso crescimento e desenvolvimento, sentimos o amor, o carinho, a segurança, o querer bem, os limites impostos, mesmo que no momento você revidasse. Quando a família opera de forma funcional, os papeis estão bem definidos, pai executa a função de pai, mãe de mãe, vô de vô e assim sucessivamente. Há limites e regras bem definidas. Já uma família disfuncional, o filho ocupa uma função ou tarefa que não é sua. Os papeis não estão bem definidos o que dificuldade a independência e autonomia, resultando na falta de autoconfiança.

Aproveite os laços familiares e estimule a comunicação, a troca, a segurança, incentivando comportamentos e ações. Assuma o seu papel, dê limites, eduque pela via do cuidado, mostrando a autoridade e não pela via do controle que estimula o autoritarismo.

Por fim, cuide dessa instituição chamada família que é considerada uma das mais antigas do mundo. Ame, proteja, enfrente os conflitos e entenda determinados comportamentos. Ao invés de julgar, busque estreitar relações e respeitar o espaço de cada um. Faça parte e se desenvolva!

Ótima reflexão. Espero que tenham gostado. Dúvidas? Entre em contato.

Um beijo e até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *